Projeto Ariranhas no Cantão

Home   Instituto   Araguaia   Cantão   Águas Interiores   Quem Somos  Projeto Ariranha  Projeto Peixes
Projeto Boto    Comunidades Naturais     ProCantão    Voluntários   Ciência Comunitária   Ecoturismo    
SOS Cerrado   Galeria de Fotos
Home.htmlInstituto.htmlIntroducao.htmlLocalizacao.htmlaguas_interiores.htmlquem_somos.htmlProjeto_Peixes.htmlProjeto_Boto.htmlComunidades_Naturais.htmlProCantao_Port.htmlVoluntarios.htmlBolsas_de_Iniciacao_Cientifica.htmlVisita_ao_PEC.htmlCerrado.htmlFotos/Fotos.htmlshapeimage_1_link_0shapeimage_1_link_1shapeimage_1_link_2shapeimage_1_link_3shapeimage_1_link_4shapeimage_1_link_5shapeimage_1_link_6shapeimage_1_link_7shapeimage_1_link_8shapeimage_1_link_9shapeimage_1_link_10shapeimage_1_link_11shapeimage_1_link_12shapeimage_1_link_13shapeimage_1_link_14shapeimage_1_link_15
 

As ariranhas (Pteronura brasiliensis) quase ficaram extintas na década de 70 devido ao alto valor de sua finíssima pele no mercado internacional.  Nos anos 80 a IUCN estimou que sua população na natureza estava restrita a cerca de 300 individuos.  Hoje o fator limitante para a existencia de ariranhas não é mais a caça pela pele, e sim a diminuição gradual dos estoques de peixes nos rios da Amazonia devido a sobrepesca comercial e esportiva.  Uma ariranha chega a consumir cerca de 4,5 kilos de peixe diariamente, ou seja, um grupo de 10 ariranhas pode consumir 45 kilos de peixe por dia!  Por isso são mal vistas como “concorrentes” pelos pescadores profissionais e amadores, que muitas vezes chegam a expulsa-las de suas tocas ou mata-las. No entanto, estudos recentes revelam que as ariranhas são grandes consumidoras de vorazes peixes predadores sem valor comercial - como piranhas e traíras - e sem elas há um aumento da população desses predadores, constituindo um fator ainda mais danoso para os estoques de peixes de valor comercial.


O Instituto Araguaia vem trabalhando em conjunto com as autoridades do Parque Estadual do Cantão e com a comunidade local no sentido de impedir a pesca e a caça illegal no interior do parque.  Sem essas práticas, os rios e lagos do Cantão voltaram a ser repletos de peixes, e com isso temos observado um triunfante aumento da população de ariranhas no Cantão.  Não apenas as avistagens se tornam cada vez mais frequentes, mas também os grupos estão cada vez mais acostumados com nossa pacífica e constante presença.  Assim, temos podido observa-las por longas horas em sua rotina diária. 

 

Entre setembro e outubro de 2010 conduzimos um censo preliminar de ariranhas na região proxima a nossa base de pesquisa.  Na vazante do rio - entre  abril e agosto de 2011 – demos inicio a um censo mais completo seguindo a metodologia estabelecida pela IUCN e descrita na publicação “Surveying and Monitoring Distribution and Population Trends of the Giant Otter, IUCN/SSC Otter Specialist Group".  Os resultados obtidos confirmam a viabilidade da metodologia aplicada para o monitoramento da população de ariranhas do Cantão através da realização de censos regulares, e serviram de base para o monitoramento da espécie a longo prazo no Parque Estadual do Cantão.




CLIQUE AQUI PARA VER OS RESULTADOS DO PROJETO 
2010 / 2011
PROJETO_2010_e_2011.htmlhttp://livepage.apple.com/shapeimage_2_link_0






 

CLIQUE PARA VER OS RESULTADOS DO PROJETO EM

2012

2013

2014

Ano 2012

Anos 2013

Ano 2010-2011

Resumo de 2014 PROJETO_2014_3.htmlPROJETO_2013.htmlhttp://livepage.apple.com/shapeimage_3_link_0shapeimage_3_link_1