Ilhas e Praias
Home   Instituto   Araguaia   Cantão   Águas Interiores   Quem Somos  Projeto Ariranha  Projeto Peixes
Projeto Boto    Comunidades Naturais     ProCantão    Voluntários   Ciência Comunitária   Ecoturismo    
SOS Cerrado   Galeria de Fotos
Home.htmlInstituto.htmlIntroducao.htmlLocalizacao.htmlaguas_interiores.htmlquem_somos.htmlProjeto_Ariranha_2.htmlProjeto_Peixes.htmlProjeto_Boto.htmlComunidades_Naturais.htmlProCantao_Port.htmlVoluntarios.htmlBolsas_de_Iniciacao_Cientifica.htmlVisita_ao_PEC.htmlCerrado.htmlFotos/Fotos.htmlshapeimage_2_link_0shapeimage_2_link_1shapeimage_2_link_2shapeimage_2_link_3shapeimage_2_link_4shapeimage_2_link_5shapeimage_2_link_6shapeimage_2_link_7shapeimage_2_link_8shapeimage_2_link_9shapeimage_2_link_10shapeimage_2_link_11shapeimage_2_link_12shapeimage_2_link_13shapeimage_2_link_14shapeimage_2_link_15
 

O Parque Estadual do Cantão inclui 24 ilhas arenosas no Rio Araguaia, assim como um grande número de praias que se formam nas curvas de seus rios e furos sinuosos. A areia dessas praias é um habitat importante para diversas espécies. Talha-mares, gaivotas, tracajás, tartarugas e outras espécies fazem seus ninhos na areia, e nas praias mais selvagens do parque quase todos os locais adequados tem ninhos, as vezes em grandes números. Os ovos atraem predadores como o caracará, a irara e até mesmo a onça-pintada, que preda ninhos e também tracajás e tartarugas adultas quando emergem nas praias para nidificar.

As praias arenosas e bancos de lodo associados também são o ambiente preferido para alimentação de aves aquáticas como o colhereiro, o tapicurú e várias espécies de patos selvagens. Um dos residentes mais curiosos das ilhas e praias maiores é o anhuma, que é visto no parque em todas as estações do ano.

A vegetação que cresce nesse ambiente arenoso e pobre em nutrientes atravessa diversos estágios sucessionais. Inicialmente brotam gramíneas e vegetação herbácea, formando pastagens para mamíferos e patos na seca e para peixes herbívoros durante as enchentes. Após alguns anos se desenvolvem arbustos de sarã (Sapium) e goiabinha (Psidium), formando grandes emaranhados de vegetação arbustiva chamados na região de saranzais. Ambas espécies de arbusto frutificam durante as enchentes, e suas sementes são dispersadas por peixes, principalmente pacús. Com o passar dos anos, as raizes vão se adensando, detritos trazidos pelas águas vão ficando presos e se acumulando, e a areia vai se transformando em solo, capaz de sustentar uma variedade maior de plantas. Eventualmente forma-se uma copada de embaúbas sobre os arbustos. As embaúbas dão frutos durante todo o ano, e os extensos embaubais do Cantão atraem um grande número de animais frugívoros, que defecam sementes de outras espécies de árvore trazidas da floresta circundante. Ao longo das décadas, essas sementes vão germinando e crescendo, sombreando as embaúbas e convertendo o ambiente outrora aberto numa floresta de igapó. Mas enquanto isso, a juzante, novos sedimentos vão sendo depositados, vegetação pioneira vai brotando sobre a areia, e todos os estágios sucessionais das ilhas e praias vão recomeçando.